21.12.08

"Soneto do Amor Eterno" (Vinicius de Moraes)


"De tudo, ao meu amor serei atento
Antes e com tal zelo, e sempre e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei-de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou ao seu contentamento.

E assim quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angustia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama

Mas que seja infinito enquanto dure."

2.12.08

Crise Energética (???)

Numa época em que se sofre de uma crise energética de grande amplitude, o preço dos combustíveis oscila com a mesma frequência do humor feminino em dias de TPM, a contenção afecta-nos a todos e obriga-nos a ponderar a utilização das energias renováveis. Inesgotáveis (à partida...), proporcionam o bem maior de não poluírem o ambiente...
Igualmente inesgotável parece ser o dinheiro dos portugueses em tempo natalício... Tudo é motivo para se enforcarem com Créditos ao Consumo e esgotamentos de plafond dos cartões VISA... Em Janeiro, passados os dias de loucura, o esgotamento é outro... Nervoso...
Será que sou a única que acha ridículo contrair dívidas para se fazer boa figura com as prendas que se oferece??? A maioria da população portuguesa não deve pensar assim...

Mas gabo-lhes a paciência... É preciso ter armazenada muita energia para se suportar o frenesim dos centros comerciais às portas do tão celebrado dia... (coff, coff)... E essa, apesar de renovável, é, todavia, bastante poluidora... A julgar pelo considerável aumento de estupidez e brutalidade do comum consumidor...