28.6.08

Arriscar Ficar Sozinho...

“A sinceridade é uma abertura do coração. Encontramo-la em muito poucas pessoas, e essa que vulgarmente por aí se vê não passa de uma astuta dissimulação para atrair a confiança alheia...”[1]


A vida tem-me compelido a perguntar com que intuito o ser humano tem a peculiaridade de querer manter sempre alguém de reserva??? O que faz que aquele(a) ex seja “mantido(a) na prateleira” para ALGUMA EVENTUALIDADE??? Enquanto um novo relacionamento não é certo mais vale prevenir e deixar o anterior em suspenso, i.e., alimentando-lhe uma esperançazita... Claro que nesta “brincadeira” há sempre alguém que sai a perder, ou é o suposto novo relacionamento ou o(a) ex que é iludido(a)...
O medo de ficar sozinho é tanto que acaba por permanecer “em cima do muro”...
Não seria muito mais íntegro haver honestidade na transmissão de sentimentos??????????????


[1] François La Rochefoucauld

26.6.08

À Carência de TI...


A necessidade de fazer amor é quase agonizante... Sentir um desejo que corrói não só o corpo carente, mas a alma desprezada. As sensações anteriormente vividas dão alimento a novas vontades, novas descobertas. O sonho é o palco de memórias revisitadas, momentos inolvidáveis. Tudo é consumido pela paixão, pela libido. Nada mais é válido a não ser o prazer, concedido pelo toque, pelo cheiro, pelo paladar...
Cada objecto de desejo torna-se vício, pretensão inexpugnável. A dor física e molesta não tem o atrevimento de se equiparar à tormenta da falta do semblante e do calor de outro ser! Todos os nanossegundos se enchem de eternidade quando à escassez de contacto o corpo se torna inerte, insensível, inexorável... Não há satisfação em acto algum... É implacável a privação a que é sujeito o indivíduo que se abstém de sentir, de viver, de tactear as emoções...
Inflamado o anseio de penetração e enlace de sensações só resta a rendição... A pele expande e aguarda a sublimação do toque, o êxtase da fusão...
Venerar a volúpia das horas cedidas ao pecado é entregar em bandeja de prata a alma e o juízo à tentação... O que resta perder??? A vergonha? Palavra inexistente no vocabulário do amante, do enamorado... do louco.
Imémore é tudo o que não deleita cada sentido, cada papila, cada poro... O lascivo é captado pelo registo sensorial com precisão milimétrica, nem que tente consegue escapar aos sórdidos tentáculos da reminiscência...
A visão quimérica de um estado ardente nunca extinto entranha-se pelos interstícios de cada nervo sugando o espaço para a racionalidade... Sobra o instintivo, o animal, a intrépida fúria que rasga os órgãos... Fica a aflição do não vivido, do não experimentado, do não provado...

14.6.08

Santos...


















12.6.08

À minha Lila...

Aquilo que de verdadeiramente significativo podemos dar a alguém é o que nunca demos a outra pessoa, porque nasceu e se inventou por obra do afecto. O gesto mais amoroso deixa de o ser se, mesmo bem sentido, representa a repetição de incontáveis gestos anteriores numa situação semelhante. O amor é a invenção de tudo, uma originalidade inesgotável. Fundamentalmente, uma inocência.[1]

[1] Fernando Namora, in “Jornal sem Data”

11.6.08

Passeio a 4... :)

Fotos tiradas com telemóvel... A qualidade das fotos não se equipara à da companhia... Obrigada Ana, Óscar e Raquel por este dia... Bjs















2.6.08

When Am I Gonna Get Some Magic ???

Porque será que ansiamos tanto por perfeição? Vida perfeita, casamento perfeito, filhos perfeitos, empregos perfeitos, casas perfeitas, rostos perfeitos, corpos perfeitos... Blhac... Por que raio não vemos que nunca nada é perfeito na vida??? Guilty as charged... Incluo-me no rol...
Margarida Rebelo Pinto escreveu "O príncipe encantado não é o namorado mais romântico do mundo que nos cobre de beijos; é o homem que nos puxa o lençol para os ombros a meio da noite para não nos constiparmos ou se levanta às três da manhã para nos fazer um chá de limão quando estamos com dores de garganta...". Porventura não teremos todos o desejo de encontrar alguma magia na vida? Ou será que fugimos todos das "imperfeições" que a caracterizam? Alguém que nos ame realmente não saberá afastar-se quando o nosso mau humor nos imponha estarmos sozinhos? Nem que seja por breves instantes... Não será isso o verdadeiro AMOR???
A MAGIA está em acordar do lado de quem amamos, em ouvir uma música e pensar nos momentos importantes que vivemos, receber um abraço quando menos esperávamos e mais precisávamos, aquela pessoa especial nos dizer que também somos especiais, em poder apreciar um belo arco-íris depois de ter "chovido a cântaros", sentir na pele o toque da brisa do mar no fim de uma tarde de Verão acompanhados pelo(a) melhor amigo(a)...



Adoramos a perfeição, porque não a podemos ter; repugna-la-íamos, se a tivéssemos. O perfeito é desumano, porque o humano é imperfeito...” (Fernando Pessoa, “Livro do Desassossego”)