28.8.08

Alcateias, arquipélagos e constelações...



"A sua solidão pesou-lhe um instante, ele queria ter alguém a quem falar. É difícil ver o belo sozinho..."

Não consigo deixar de pensar que cada vez mais precisamos de contar com alguém... Que nos alegre um dia melancólico e sombrio com uma gargalhada sincera... Que nos aqueça a alma e o coração com um gesto afável... Que jamais nos permita esquecer o quão especiais e importantes somos na sua vida... Quantas vezes não colocamos tudo em causa, desejamos "desaparecer", e eis que o archote se reacende com maior luminosidade...

Ínfima em possibilidades, a nossa existência é sempre contemplada... Nada teria o mesmo sabor se não fosse a partilha com quem nos rodeia e preenche os precipícios da auto-suficiência...

Assumo: não sou independente, não pretendo ser! Não quero ser só eu, às vezes nem me suporto...

27.8.08

Yes, I do...

Respondendo à tua pergunta...

10.8.08

Areia Branca...


Obrigada, miga... *****************

2.8.08

Palavra Escrita...


Há quem consiga exprimir os sentimentos mais profundos oralmente... Outros, como eu, tentam esborratar algumas linhas que permitem ao pensamento as devidas pausas, os devidos silêncios, os devidos engasgos, incertezas e hesitações que só o coração compreende... A certeza de que a pertença das nossas mais íntimas paixões e afecções se consolida numa folha de papel dá asas à sinceridade e dureza das nossas palavras escritas... Os grandes poetas e escritores alcançaram a imortalidade através das suas pinceladas semânticas, tão carregadas de dor, angústia e solidão...
Tentar definir sentimentos é o mesmo que respirar de baixo de água sem ter brânquias... Uma vez atingida a definição eles perdem toda e qualquer irracionalidade que lhes é intrínseca... Em vão...